44ª PARASHÁ DE DEVARIM - ESTAS PALAVRAS


Nesta semana começamos o quinto e último livro da Torá. Devarim faz um resumo de tudo que já foi exposto nos quatro livros anteriores. Seu conteúdo foi transmitido por Moisés durante as cinco semanas finais de sua vida, enquanto o povo se preparava para cruzar o Jordão e entrar na Terra de Israel. Este livro é associado à Malchut - a manifestação é o resultado de todos os outros planos.
Ao saber que sua vida chegava ao fim, a única preocupação de Moisés era com seu povo. Recordou muitos acontecimentos dos 40 anos no deserto e aproveitou para “chamar a atenção do povo” para alguns dos graves erros cometidos. Foi uma “bronca” sutil porque Moisés tenta conduzir aquelas pessoas a uma reflexão sobre seus atos, para que realizassem o tikun (correção).
Sabemos que na maior parte do tempo, estamos cometendo hoje os mesmos erros que cometemos no passado. De acordo com a Cabalá, se não mudamos nossa consciência, nossas vidas não mudam. Devarim nos fornece a energia para modificar nossa experiência de vida, modificando nossa consciência.
Quantas vezes aprendemos algo em uma aula de Cabalá que realmente nos inspira? Porém, quando voltamos a nossa rotina diária simplesmente “esquecemos” e não conseguimos AGIR de acordo com aquilo que aprendemos apenas um dia antes. Se criarmos o hábito de separar, diariamente, um pequeno espaço de tempo para reflexão, imagine como seria mais duradouro o impacto que teriam as lições que nos inspiraram.
Aprendemos ainda nesta semana que estas devem ser as forças “cabeças” na vida de todo ser humano: Sabedoria, Entendimento e conhecimento.
A Sabedoria, onde surge a inspiração;
O entendimento, onde interpretamos essa inspiração em pensamentos concretos e idéias;
O conhecimento, onde expressamos essa verdade interior para o mundo exterior, a responsabilidade de influenciar o Mundo, compartilhando nosso conhecimento, nossa experiência.
Estes três atributos devem caminhar juntos. A aceitação pura, sem reflexão, sobre uma sabedoria espiritual deve-se a um impulso emocional e neste caso somos facilmente manipulados.
CHODESH TOV!
Um mês iluminado para todos.